Arnesi da cucina

POSATE
La maggior parte delle posate è ambidestra, ma ci sono cucchiai per incoraggiare i bambini molto piccoli a mangiare da soli che sono curvati verso la bocca. Altre posate che sono state progettate per funzionare meglio nella mano sinistra sono forchette per dolci, paletta per dolci, coltelli da pesce e da carne, coltelli per pompelmi, paletta per i pomodori.

Coltelli da cucina I coltelli per mancini hanno la seghettatura sul lato destro per far si che un mancino ottenga i migliori risultati in molti lavori in cucina. Ad esempio tagliare le verdure ed il pane, tagliare la carne, ma anche in altri usi. Esiste una gamma di coltelli mancini per professionisti.

Utensili da cucina Mestoli, palette e posate sono normalmente disegnati in modo che i mancini si trovino in difficoltá nell’ usarli. Le versioni mancine hanno semplicemente le curvature nell’ altro senso per facilitarne l’uso.

PELAVERDURE
Sono disponibili sia con una lama che con due in modo da permettere alla mano dominante più controllo e sicurezza. Si possono anche ottenere delle decorazioni come sui limoni.

APRISCATOLE
Un apriscatole mancino funziona nella direzione opposta mettendolo sul lato sinistro della scatola e girando la manopola in senso antiorario, un movimento più naturale per un mancino. Sono anche disponibili apriscatole con un’ azione duplice. Da posizionare sul lato superiore della scatola e la manopola può essere girata in entranbi i sensi, da entrambe le mani.

ALTRO
Sebbene il loro uso da parte dei bambini può essere molto limitato e bene considerare articoli come il trita verdure (manopola per girare può esser inserita in entrambi i lati per essere usata con entrambe le mani) e se si deve aprire una bottiglia ci sono vari tipi di cavatappi con la vite in senso antiorario che consente ai mancin i di togliere facilmente il tappo.  C’ è il tipo tradizionale da cameriere, il tipo a ” T” ed il modello classico, più facile da usare con le leve.

Fonte

Visitado em 31/01/08

Educar a un niño zurdo ó que se sospecha lo es

Los padres y los profesores del niño zurdo pueden colaborar en gran medida para que le sea mas fácil desenvolverse en un mundo pensado y diseñado para diestros.

La mano izquierda atada a la silla era el “pedagógico” sistema que se utilizaba antiguamente en las escuelas para evitar que los zurdos no escribieran con su mano hábil. Hoy en día la lateralidad está aceptada como algo normal y no un signo de torpeza.

Christine Urias

Los zurdos suman el 10% de la población y ven el mundo desde otra posición. Actividades que para los niños diestros no suponen un esfuerzo especial como cortar siguiendo una línea de puntos o aprender a escribir, tienen un grado de dificultad añadida para los zurdos. Estos pequeños problemas cotidianos pueden generar frustración, ansiedad o incluso falta de confianza en los niños, cuando por su edad no son capaces de reconocer la verdadera causa de su torpeza. Por eso, el niño zurdo necesita ante todo tolerancia y paciencia por parte de sus padres y profesores, no basta con dejar que se la arregle solo con su mano izquierda, hay que enseñarle a desenvolverse como zurdo.

Durante los dos o tres primeros años de vida muchos niños son ambidiestros, y es normal que en actividades cotidianas usen ambas manos indistintamente. Otros, en cambio, manifiestan desde muy pequeños su preferencia lateral. En general, se puede decir que la lateralización aparece entre los 3 y los 6 años. Durante los dos o tres primeros años de vida muchos niños son ambidiestros

La manera más sencilla de comprobar si un niño es zurdo o diestro es dedicando tiempo a observar como evoluciona su preferencia manual, viendo qué mano, pie u ojo utiliza cuando realiza de forma espontánea acciones como agarrar la mamadera ó el chupete, pintar con los dedos, mirar por un calidoscopio o por otro objeto, limpiar una superficie con un trapo, cepillarse los dientes, peinarse, llevar un vaso lleno de agua, saltar sobre un pie… etc.

Consejos para educar a un niño zurdo

No obligar a cambiar la mano. Si el niño zurdo es obligado a utilizar la mano derecha, implica que use la mano más débil y menos hábil para realizar sus tareas, esto lo hará torpe, inefectivo y lo agotará innecesariamente haciendo que el aprendizaje sea más dificultoso y frustrante.
Forzar la lateralidad de una persona conlleva muchos problemas“, así lo apunta Jane M. Healey, neuropsicóloga infantil y autora del libro El niño zurdo quién también agrega, “Cambiar las preferencias laterales del niño puede conllevar desventajas, como dificultades para distinguir la derecha de la izquierda, trastornos en la escritura, dislexia e incluso tartamudez“.

Guiarles como un espejo

Si la madre o el padre es diestro, la mejor manera de ayudar a un niño a aprender a realizar actividades sencillas, como abrocharse los cordones de los zapatos, o utilizar un tenedor, es sentarse frente a él e ir guiándolo como si fuera la imagen ante un espejo, de este modo podrá imitarlo con más facilidad.

Trabajar en clase

Los maestros deben de informarse desde un principio si hay niños zurdos en el grupo, prestarles atención y procurar que usen las herramientas adecuadas.
Sentarlos al lado izquierdo de los pupitres dobles o junto a otro niño zurdo para evitar que su codo choque con el del compañero diestro.
Sentarlos al lado derecho de la clase en relación a la pizarra, con el fin de que vean la escritura del maestro desde el mismo ángulo que ellos miran su escritura sobre el papel.
Colocar el papel o cartulina en el lado izquierdo de la mesa de trabajo e inclinarlo hacia la derecha.
Ubicarse al lado izquierdo del niño para darle las instrucciones.
Enseñarles a tomar el lápiz en la misma forma que lo hacen los diestros con el fin de evitar que adopten la posición de la mano “en gancho“, típica de los niños zurdos.

Herramientas para niños zurdos

Para un niño zurdo trabajar con una herramienta para diestros causará frustración por la incomodidad que esto supone. Hoy en día existen algunas herramientas que se han hecho especialmente para la mano izquierda que facilitan a los zurdos su actividad cotidiana.

Tijeras: tienen los filos invertidos, de tal manera que el izquierdo queda siempre por encima del derecho. De esta forma, se facilita la tarea de cortar en línea recta.

Sacapuntas: tiene la cuchilla al revés. El lápiz se toma con la mano izquierda y gira en el sentido natural del zurdo, contrario a las agujas del reloj ó antihorario.

Lapiceras y lápices: con grip para prevenir callosidades, hacer menos presión, evitar que resbalen los dedos y no tachar lo escrito con la mano

Reglas: con la numeración de derecha a izquierda para no tapar la lectura de los números con la mano.

Agendas y cuadernos: el espiral está a la izquierda y se puede abrir al revés. Permite, además de facilitar la escritura sin tropezar con el espiral, corregir la postura del cuaderno y la de la mano al escribir (algunos niños zurdos tienden a escribir con la mano torcida hacia dentro).

Libros para colorear: se abre al revés y tiene dibujos con referencias al niño zurdo.

Teclado de computadoras: con la calculadora a la izquierda.

fonte

Visitado em 20/04/08

A CRIANÇA ESQUERDINA

Alberto B. Sousa

1 – A LATERALIDADE ESQUERDINA

Numa civilização de direitos, em que os esquerdinos são minoria, há como que uma certa conotação do termo “esquerdo” com o que não está certo, com o que não é bom, com o que é errado.

A preferência pela direita em relação à esquerda é bastante patente na nossa cultura: “- Ele é um indivíduo recto, direito, honesto…”, “- É um político das direitas…”, “- Está sentado à direita de Deus-Pai…”.

Os relógios são construídos para o braço esquerdo, as portas abrem para a direita, os livros e cadernos folheiam-se para a esquerda, a escrita desenha-se da esquerda para a direita – tudo para maior facilidade e comodidade dos direitos.

Os esquerdinos são completamente esquecidos nesta sociedade, que chega ao ponto de propagar ideias contrárias à utilização da mão esquerda na escrita e até de marginalizar e apontar os esquerdinos como se tal fosse defeito e disso tivessem culpa.

A denominação de “sinistro” chega por vezes a tornar-se bastante sinistra.

A dominância à esquerda não se trata de qualquer defeito mas apenas de uma dada estrutura neurológica que se desenvolveu mais no hemisfério cerebral direito que no esquerdo. Não se pode considerar o esquerdismo como bom ou mau, pois nasce-se esquerdino como se pode nascer de olhos verdes ou com cabelos loiros.

Ambas as estruturas mentais, de esquerdinos e de direitos, funcionam qualitativamente ao mesmo nível. Há igual número proporcional de direitos e de esquerdinos com quocientes de inteligência elevados e igualmente com baixo nível mental. Investigações neste campo têm provado não haver quaisquer diferenças intelectuais que se possam ligar ao esquerdismo ou ao direitismo.

Individualidades tão famosas como Leonardo Da Vinci, Miguel Ângelo, Paganini, Charlie Chaplin e Roberto Schumann (o “pai” da Europa), teriam sido esquerdinos.

Embora apareçam bastantes débeis mentais e epilépticos que são esquerdinos, estudos efectuados sobre o assunto mostraram não existir quaisquer relações com o esquerdismo como causa daqueles problemas.

O que existe, na realidade, entre os esquerdinos, são por vezes dificuldades de lateralização relacionadas com a leitura e a escrita, fazendo-se notar mais estas dificuldades em crianças de baixo nível de inteligência, pois que têm maior dificuldade em encontrar os meios de superar as suas deficiências de lateralização compensando-as com a coordenação intelectual.

Usualmente, a criança esquerdina sem problemas intelectuais compensa com certa facilidade as suas dificuldades instrumentais.

O que por vezes vem complicar muito são as atitudes inusitadas de certos pais, familiares e professores que, embora com as melhores intenções, insistem com ela para utilizar a mão direita, contrariando frontalmente uma disposição neurológica natural.

Quando uma criança mostra tendência para utilizar a sua mão esquerda,

  • não se trata de uma questão de má vontade dela contra o que os pais e adultos lhe dizem;
  • não se trata de qualquer acção de oposição ou de teimosia;
  • não se trata de um mau hábito;
  • não é nenhum defeito, malformação ou deficiência;
  • não tem nada a ver com a inteligência;
  • não se trata de nada que se possa corrigir com proibições e punições;

trata-se apenas de uma dada estruturação neurológica, a nível cerebral, que se estruturou naturalmente de uma dada forma (e contrariar a natureza será criar insatisfação e ansiedade à criança).

 

O Esquerdismo e a Organização do Sistema Nervoso Central

O cérebro é composto por dois hemisférios, comandando cada um os grandes grupos musculares do lado oposto do corpo. Durante muito tempo pensou-se que uma pessoa seria direita porque o seu hemisfério esquerdo teria uma organização qualitativamente melhor que o direito e que seria esquerdino pelo motivo oposto.

Recentes trabalhos de investigação neurológica mostraram, porém, que a realidade não é assim tão simples, tratando-se de uma organização muito mais complexa. Não se trata de dominância de um hemisfério sobre o outro, mas de uma organização cerebral total, que leva a esta tendência para o esquerdismo.

Não são apenas as áreas específicas da linguagem (áreas de Wernicke, de Broca e Fascículo Arqueado) que se encontram mais desenvolvidas no hemisfério direito, mas de toda uma organização que se estrutura incluindo áreas mais difusas e extensivas a ambos os hemisférios.

Esta organização cerebral dos esquerdinos não é, porém, absolutamente o inverso da organização da dextralidade. Ajuriaguerra e Diatkine referem a este respeito que “- as lesões no hemisfério direito nos esquerdinos acarretam uma sintomatologia que não é directamente comparável àquela que resulta de lesões no hemisfério esquerdo dos dextros, tanto no aspecto qualitativo como no quantitativo: a regressão é menos acentuada e há maior facilidade de recuperação”.

De facto, os esquerdinos beneficiam de uma vantagem neurológica que pode ser útil em caso de lesão cerebral. A função da linguagem, nos dextros, está apenas organizada numa área relativamente restrita do seu hemisfério esquerdo. Nos esquerdinos, esta área ocupa uma zona bastante maior e difusa, pelo que no caso de dano cerebral, os sintomas aparecem inicialmente mais agudos mas após pouco tempo recuperam, sendo capazes de reorganizar a função cerebral danificada em muito menos tempo do que quando sucede semelhante ocorrência nos direitos.

Provavelmente esta mais larga difusão da função da linguagem permite-lhes encontrar mais facilmente os mecanismos de reorganização e de compensação. Não se trata, portanto, de uma predominância ou de um desenvolvimento inverso a nível dos hemisférios cerebrais, mas de toda uma organização cerebral, que leva ao esquerdismo ou ao direitismo, nunca se podendo por isso tomar uma situação como melhor ou pior do que a outra, em termos de qualidade, dado que os resultados são os mesmos.

Qualquer esquerdino poderá ser tão bom com a sua esquerda como um direito com a sua direita, pois ambos têm igual equipamento neurológico. Se há esquerdinos que têm dificuldades de um adestramento à esquerda é apenas porque têm que se adaptar a um contexto organizado e com utensílios só para os direitos.

No adestramento, tudo se resume a uma questão de treino, sobretudo ao treino no uso dos utensílios. E neste treino estão mais empenhadas as vias nervosas de execução que propriamente os núcleos centrais do cérebro. Sabemos que quanto mais estimuladas e utilizadas certas vias nervosas, maior é a sua mielinização e portanto melhor será a sua condução nervosa. Tendo os dextros mais utensílios e estímulos para as suas vias de execução à direita, é natural que os esquerdinos tenham que se exercitar mais para adquirirem com a sua esquerda uma destreza igual à que os direitos possuem com a direita.

 

Estatísticas

Há uma grande divergência entre os resultados apresentados pelas diferentes investigações que tentaram avaliar a percentagem de esquerdinos em diferentes populações. Os resultados variam entre 1 e 30 % (apontando a maioria para 5 a 10 %). O que se pode concluir desta tão grande divergência é que é bastante difícil concretizar o que é de facto esquerdismo, dado não ser possível definir qualquer fronteira objectiva entre esquerdismo e dextrismo.

Algumas pessoas são nitidamente direitas e outras são nitidamente esquerdinas, mas entre estes dois extremos situam-se um grande número de pessoas mais ou menos lateralizadas e mais ou menos ambidextras, de difícil definição concreta.

O número de esquerdinos varia com a idade das pessoas observadas, sendo maior em crianças. Muitas crianças esquerdinas, por influência da imitação e de pressões do meio, no decorrer do seu desenvolvimento, acabam por se adestrarem suficientemente à direita.

Estas influências do meio não actuam, porém, de igual modo sobre todas as crianças, resistindo-lhes bem as de esquerdismo carregado.

A dominância da lateralidade, nos dextros, acentua-se com a idade, devido à maturação fisiológica das vias e centros neurológicos mais solicitados, pelo efeito do exercício sobre a maturação biológica.

 

Hereditariedade

Parece que há algo de hereditário que determina a predominância cerebral, embora a tónica de maior influência resida na educação. Um autor inglês refere, num estudo sobre o assunto:

  • 2,1 % de crianças esquerdinas – filhas de pais dextros
  • 17,3 % de crianças esquerdinas – com um progenitor esquerdino
  • 46 % de crianças esquerdinas – com ambos os progenitores esquerdinos

Estas influências hereditárias também têm sido igualmente observadas em animais, citando-se como exemplo alguns cavalos de tiro que só são capazes de puxar atrelados do mesmo lado que os seus progenitores.

É, porém, extremamente difícil separar a influência da hereditariedade da influência da educação, dado que todos os mecanismos hereditários podem rapidamente ser desenvolvidos ou encobertos pelas influências do meio.

Algumas crianças parecem apresentar já nos primeiros meses de vida uma certa lateralização dominante, chupando preferencialmente o seu polegar esquerdo. A maioria, porém, não apresenta quaisquer características deste tipo, assistindo-se a constantes oscilações até que, a pouco e pouco, se vai definindo a sua lateralização, começando a fixar-se pelos 5-6 anos e estabelecendo-se definitivamente pelos 8-10 anos.

 

Dominância Lateral

Quando se fala em esquerdismo, associa-se normalmente este termo apenas ao uso preferencial da mão esquerda sobre a direita. No entanto, a dominância lateral não se refere apenas à mão predominantemente utilizada, estendendo-se a todos os órgãos pares do corpo: mãos, pés, olhos e ouvidos.

Na avaliação do tipo de lateralidade (dextrismo ou esquerdismo), costuma-se observar a sua natureza, o seu grau e a sua homogeneidade:

1 – Quanto à sua natureza, a predominância poderá ser normal, natural, ou patológica:

  • Dextro Normal: Estruturação cerebral predominante no hemisfério esquerdo;
  • Esquerdino Normal: Os seus principais centros cerebrais estão naturalmente no hemisfério direito;
  • Esquerdino Patológico: Os seus principais comandos cerebrais estão no hemisfério direito porque há lesão no esquerdo.

Quando uma criança, originalmente dextra, sofreu qualquer lesão no seu hemisfério cerebral esquerdo, vê-se obrigada a utilizar o lado direito do seu cérebro para compensar aquela deficiência, passando por isso a verificar-se uma dominância dos órgãos do lado esquerdo do seu corpo. Trata-se de um falso esquerdismo, ou seja, de uma situação que por acidente e necessidade se tornou contrária ao potencial inicial da criança.

Nestes casos é inteiramente contra-indicada qualquer tentativa de educar o lado direito da criança, pois que as áreas cerebrais que o comandam estão danificadas. Há sim que ajudar a criança a tentar tirar o melhor partido possível do seu lado esquerdo.

2 – Quanto ao grau, a dominância pode ser mais ou menos marcada:

  • Totalmente dextro
  • Totalmente esquerdino
  • Ambidextro
  • Ambimanismo
  • Estados intermédio.

Hildreth propôs uma fórmula para a avaliação do índice de predominância de um órgão sobre o seu par, designando-a por Índice de Dominância Lateral (IDL).

Esta fórmula é a seguinte: IDL = (D – E) / (D + E)

D – Número de actividades executadas pela direita

E – Número de actividades executa das pela esquerda

O IDL varia entre +1 (dextros a 100%) e -1 (esquerdinos a 100%), situando-se os ambidextros a níveis próximos do zero.

O Esquerdismo Manual refere-se à predominância da mão esquerda sobre a mão direita; a mão esquerda com mais destreza e sendo mais utilizada que a direita.

O Esquerdismo Pedal designa o pé esquerdo como o mais utilizado e o mais hábil.

O Esquerdismo Auditivo indica que o ouvido esquerdo tem predominância na recepção auditiva, sendo o mais utilizado.

A existência de um ouvido dominante não implica, porém, necessariamente qualquer ligação com as capacidades auditivas. É o utilizado preferencialmente e não obrigatoriamente o que ouvirá melhor.

O Esquerdismo Visual também não tem relação directa com a acuidade visual. Designa a vista que mais se utiliza preferencialmente.

O Esquerdismo da Movimentação Visual: devido ás exigências da escrita da nossa cultura ocidental, há o hábito de se mover a visão da esquerda para a direita, quando se procede a qualquer leitura ou observação visual. A criança é desde cedo levada pelo meio em que vive a observar visualmente da esquerda para a direita (quer se trate de uma paisagem, de uma fotografia ou de qualquer outra coisa), muito antes de aprender a ler – que também é nesse sentido.

O esquerdismo da movimentação visual reflecte-se na leitura na tendência para ler ao contrário, da direita para a esquerda.

M Jadoulle, refere que, no início da escolaridade básica, 50 a 60 % das crianças observam visualmente da esquerda para a direita, e 40 a 50 % fazem-no da direita para a esquerda.

Com os efeitos da educação escolar e sobretudo pela aprendizagem da leitura, pelos 11-12 anos, já 64 a 80% das crianças observam da esquerda para a direita.

A Ambidextria é a pior fórmula, do ponto de vista de adaptação e de reeducação. A criança não possui qualquer dominância de um lado sobre o outro (IDL=0) e por isso fica oscilando entre ambos sem desenvolver nenhum devidamente.

O Ambimanismo é semelhante à situação anterior, mas aqui a criança possui bastante destreza e habilidade em ambas as mãos.

3 – A homogeneidade refere-se à dominância dos diferentes membros e órgãos no mesmo indivíduo, podendo ser:

  • Homogénea – Dominância igual de todos os órgãos.
  • Cruzada – Uns órgãos são de dominância esquerda e outros de direita

A lateralização cruzada aparece em muitos casos acompanhada de desequilíbrios e de perturbações psicológicas, podendo estar na origem destes. Uma dominância manual direita cruzada com uma dominância esquerda da movimentação visual, pode, por exemplo, levar a problemas de leitura.

 

2 – PROBLEMAS DOS ESQUERDINOS

Os maiores problemas dos esquerdinos residem nas suas dificuldades de adaptação àquelas técnicas escrita

que são especificamente de um mundo de direitos: dificuldades de adaptação a certos utensílios e a situações escolares que requerem procedimentos da esquerda para a direita (como por exemplo a leitura e a escrita nas línguas ocidentais).

Dificuldades Escolares

Usualmente, o professor preocupa-se em ensinar bem as técnicas instrumentais aos direitos, esquecendo-se de indicar aos esquerdinos como se lhes devem adaptar. Estes tentam fazer como os direitos e muitas vezes saem-se mal. Ficam entregues a si próprios, imitam e experimentam formas sem qualquer apoio e algumas vezes ainda ouvem ralhos por não fazerem tão bem como os direitos.

Os cadernos, os livros, a escrita, a orientação da luz na sala e muitas outras particularidades, estão quase sempre apenas previstas em função dos direitos, esquecendo-se frequentemente de ensinar aos esquerdinos:

  • Como se orientar em relação à luz,
  • Como se sentar na atitude correcta para os esquerdinos escreverem,
  • Como colocar os braços e as mãos sobre o papel,
  • Como orientar a folha de papel,
  • Como segurar na caneta,
  • Como desenhar as letras com a mão esquerda,
  • etc.

 

Dificuldades de Leitura

Os primeiros anos da escolaridade básica estão quase totalmente voltados para a aprendizagem da leitura. A leitura é a utilização de símbolos gráficos que por sua vez são símbolos de sons que evocam objectos, ou seja, a fala é a simbologia sonora de imagens mentais e a escrita é a simbologia gráfica desses símbolos sonoros.

Assim, para que a criança possa aprender a ler correctamente, deverá:

  • Falar correctamente, com boa articulação e boa organização da sintaxe das frases;
  • Possuir um vocabulário rico e diferenciado;
  • Compreender que o pensamento pode ser comunicado através de um conjunto de símbolos sonoros que são a fala ou através de um conjunto de símbolos gráficos, que são a escrita;
  • Ter um desenvolvimento psicomotor que lhe permita a eficaz execução de todos os pormenores das finas coordenações dos movimentos necessários aos actos de leitura e de escrita (respiração, articulação, fonação, somestesia, equilíbrio, percepções espacial e rítmica).

Alguns esquerdinos têm defeitos de articulação ou dificuldades na aquisição da função simbólica da linguagem. A. Jadoulle refere uma maior percentagem de dificuldades de fala ” – em crianças esquerdinas ou de lateralização mal definida, o que no entanto não poderá ser generalizável, dado haver muitas crianças direitas com as mesmas dificuldades.”

Na linguagem, a frase é uma sequência rítmica, sonora, que se processa temporalmente. A criança, para a leitura, deverá possuir uma maturidade psicomotora que lhe permita estruturar células rítmicas cada vez mais longas e mais complexas. As dificuldades de organização rítmica, aparecem, porém, tanto em esquerdinos como em direitos, segundo M. Stambak.

As dificuldades de equilíbrio, de somestesia, de coordenação e de dissociação de movimentos, também estão na origem de muitos problemas de leitura, tanto de esquerdinos como de direitos. Onde os esquerdinos encontram maiores dificuldades é sobretudo na área da organização espacial.

A frase escrita ocupa um dado espaço no papel e para se ler uma frase é necessário que se percebam bem todos os sinais, as suas diferenças e os espaços que ocupam, ou seja, é necessário que a criança tenha uma boa percepção espacial.

As noções de espacialidade, tais como: dentro, fora, frente, atrás, direita, esquerda, perto, longe, etc., são noções que se vão adquirindo nas vivências práticas do quotidiano. Logo, num mundo de direitos, os esquerdinos terão menos oportunidades de vivenciação que lhes permitam um adestramento tão qualitativo como para os direitos.

(Convirá sublinhar que se faz sempre referência a “certos esquerdinos”, dado que as investigações estatísticas mostram que um razoável número de esquerdinos – 30 a 35 % – não apresentam quaisquer dificuldades em aprender a ler, enquanto que há muitos direitos que as apresentam).

 

Dificuldades de Escrita

Há algumas particularidades da escrita dos esquerdinos que são características:

  • Tendência para começar pela última página do caderno;
  • Tendência para começar a escrever muito afastado do início ou mesmo quase no fim da linha;
  • Saltar linhas (sem que seja falta de atenção ou de organização espacial);
  • Inversões em espelho (escrever palavras ou letras ao contrário, sobretudo: E 7 3 5 L);
  • Inversões de letras (UO em vez de OU, ON em vez de NO);
  • Confusões, como PARTO em vez de PRATO, ESTE em vez de SETE, etc.

Umas letras são mais susceptíveis de confusões do que outras (db qp un) e alguns erros podem parecer ser devidos a confusões auditivas, mas na realidade devem-se a indiferenciações perceptivo-espaciais: OSSOS em vez de TREMOÇOS, PORTA em vez de CORTA.

Na escrita manuscrita, as rectas efectuam-se normalmente da esquerda para a direita e de cima para baixo, enquanto que as rotações se fazem no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio, o que é fácil de executar com a mão direita mas difícil com a esquerda, tendo por isso os esquerdinos a tendência para efectuarem estes traçados no sentido oposto (rectas da direita para a esquerda e de baixo para cima e arcos no sentido dos ponteiros do relógio).

A “escrita em espelho”, que parece uma aberração inexplicável, aparece bastante nas crianças esquerdinas que têm sido treinadas a escrever com a mão direita. Como há uma simetria na organização práxica dos movimentos das mãos direita e esquerda, quando a criança se distrai e os seus movimentos automáticos do acto de escrever escapam ao seu controle voluntário, a sua tendência de escrever da direita para a esquerda emerge e processa-se sem que ela se dê conta de tal, aparecendo as palavras escritas em sentido inverso.

Sobre este ponto, Ajuriaguerra e Diatkine referem que:

  • A tendência para escrever da direita para a esquerda é maior nos esquerdinos que nos direitos;
  • A escrita em espelho é facilmente corrigida em crianças sem outras dificuldades, mas é difícil e lenta nas crianças com desordens de organização espacial, psicomotricidade ou mentais.

Sendo a ortografia, para além da aprendizagem das suas regras, função das capacidades de percepção e de atenção, todas as dificuldades gnósicas, práxicas e simbólicas, bem como problemas que entravem as capacidades de concentração (sobretudo de origem afectiva), dificultam a organização dos automatismos ortográficos, sendo raro que dificuldades de leitura não se transformem em dificuldades de ortografia.

Erros ortográficos, inversões, inserções, omissões, separações e confusões, são quase sempre derivados de deficiências instrumentais, chegando mesmo a aparecer erros gramaticais de pessoa, género e número.

Tudo isto produz na criança frustrações, conflitos, hesitações, bloqueios e estados de tensão que lhe fazem perder muito tempo, a tornam insegura e se reflectem na actividade gráfica.

 

Outras Dificuldades

Nas crianças esquerdinas há geralmente uma falta de jeito e uma lentidão que geram uma produtividade escolar por vezes insuficiente e de fraca qualidade, sendo frequentes as dificuldades da motricidade manual fina.

O esquerdino contrariado é ainda mais lento que o esquerdino que utiliza livremente a sua mão dominante. Em média a eficiência da mão esquerda, nos esquerdinos, é inferior à eficiência da mão direita nos direitos, mas esta situação fica bem patente e marcada nas crianças esquerdinas contrariadas ou submetidas a pressões e oposições familiares.

Os esquerdinos submetidos a estas condições ficam por vezes marcados psicologicamente, podendo apresentar sentimentos de inferioridade e de culpabilidade e/ou agressividade recalcada, que podem vir a desenvolver-se nos quadros caracteriais que por vezes acompanham o esquerdismo.

 

3 – CONSELHOS EDUCATIVOS

Não há dois esquerdinos iguais, tal como não há duas pessoas iguais. Cada caso de esquerdismo deverá ser considerado como caso único e singular. Cada criança esquerdina possui as suas próprias características específicas e é em função destas que se deve delinear a estratégia educativa a adoptar.

Não há receitas educativas que se possam aplicar genericamente aos esquerdinos. Cada caso deverá ser devidamente avaliado pelo psicólogo e só após efectuado o diagnóstico será possível o aconselhamento aos pais e educadores dos princípios educativos mais apropriados para cada um.

Se se insistir numa regra geral, ela será a de ajudarmos a criança a lateralizar nitidamente o seu lado dominante. Quando a lateralidade é indefinida ou ligeiramente esquerda, aconselha-se uma educação da direita, mas controladamente, sob a observação do psicólogo especialista, eventualmente parando e optando pelo esquerdismo, ao mínimo sinal de perturbação emocional.

Se a lateralidade é nitidamente esquerda e resistiu aos primeiros anos de uma rectificação do meio (sem brutalidades nem pressões), é necessário que se encoraje o esquerdismo ao mesmo tempo que se procurará dissipar tudo o que eventualmente possa ter trazido para a criança sentimentos de inferioridade. Segundo Ajuriaguerra, a educação da mão esquerda é nitidamente indicada em todas as crianças cujo esquerdismo seja acompanhado de insuficiência intelectual, atraso motor ou de dificuldades de natureza afectiva.

Se se decide educar a mão direita, num esquerdino, há que ter em conta um certo número de precauções:

  • Fazer com que a criança aceite esta aprendizagem como um enriquecimento seu;
  • Evitar qualquer rigorosismo, deixando a criança utilizar a mão esquerda quando quiser;
  • Não olvidar ou repudiar a mão esquerda nas tarefas que não são a escrita, deixando-lhe inteira liberdade nas acções da vida corrente;
  • Estar com muita atenção às reacções caracteriais durante esta aprendizagem, sobretudo comportamentos de oposição ou demissão.

Há crianças que sendo esquerdinas, podem utilizar espontaneamente a sua mão esquerda em todas as acções da vida quotidiana, ao mesmo tempo que podem aprender a escrever com a mão direita sem quaisquer dificuldades, evitando assim os problemas se escrever com a mão esquerda.

Outras crianças, porém, não conseguem fazê-lo, entrando em situação de problema e após algumas tentativas infrutíferas voltam à mão esquerda, o que deve ser apoiado ao mesmo tempo que se tomam medidas no sentido de ajudá-las a ultrapassar algum sentimento de frustração que possa ter surgido pelo seu fracasso em escrever com a direita.

Se a criança é ambidextra, a pior situação em que se poderá encontrar uma criança que se pretende ajudar a aprender a escrever, pois que não é boa à direita nem à esquerda, entravando-a nos seus circuitos neurológicos mais do que se ela fosse direita ou esquerdina, poder-se-á começar por um adestramento à direita, com todos os cuidados já atrás referidos.

Para uma boa destreza na escrita, interessa sempre uma pronunciada predominância. Quando uma criança está nitidamente lateralizada à esquerda, é sempre conveniente educá-la à esquerda. Nestes casos, a decisão, depois de diagnosticada a sua tendência natural, deverá ser estabelecida pelo psicólogo, pela família e pela escola.

 

Conselhos aos Pais:

  • Observar a criança, para saber em que situações emprega o lado esquerdo e que partes do seu corpo utiliza preferencialmente;
  • Jamais pensar que “canhotismo” é defeito ou debilidade mental. Trata-se apenas de uma coisa tão natural como a cor dos cabelos ou dos olhos;
  • Nunca contrariar a tendência natural da criança, antes pelo contrário, criar-lhe um clima de liberdade e espontaneidade;
  • Não fazer à criança exigências de perfeccionismo nem transmitir-lhe nada que possa fazê-la sentir-se imperfeita, incapaz ou culpada;
  • Ter em conta que ela poderá ter também insuficiências ligeiras, tais como:
    • falta de habilidade
    • certa lentidão
    • dificuldades de ritmo
    • dificuldades de organização espacial
    • etc.
  • Proporcionar-lhe jogos de destreza manual (deixando-lhe inteira liberdade para brincar à esquerda ou à direita, como lhe aprouver), tais como:
    • construções
    • encaixes
    • enfiamentos
    • recortes
    • colagens
    • modelagens
    • desenhos com esferográficas de várias cores,
    • etc.
  • A entrada para o Jardim Infantil vai permitir à criança encontrar um meio que muito a motiva nas suas atitudes pré-instrumentais. É no entanto necessário um permanente contacto da família com a educadora, estabelecendo formas conjuntas de apoiar a criança na definição da sua lateralidade e no seu adequado adestramento.
  • É importante não matricular a criança na escolaridade básica antes dela ter a maturidade intelectual, verbal e instrumental necessárias para poder iniciar a aprendizagem da leitura e da escrita. É melhor esperar do que forçar a criança a iniciar algo para a qual ainda não está devidamente preparada. Usualmente as crianças esquerdinas podem ter mais necessidade de amadurecimento do que as direitas, para iniciar uma aprendizagem da leitura e da escrita.
  • O desejo compreensível de alguns pais não quererem que o seu filho “perca o ano”, vem por vezes causar graves problemas onde, se esperasse um ano, naturalmente, não os haveria (e muitas vezes, devido a esta pressa, os mecanismos instrumentais ficam desorganizados, acabando por perder mais tarde mais do que um ano).
  • É importante que os pais dominem a sua ansiedade perante o esquerdismo do seu filho e as suas dificuldades. A ansiedade é extremamente contagiosa e só causa problemas ao normal desenvolvimento da criança.
  • Alguns pais, com as melhores intenções, chegam a tomar a iniciativa de impor aos seus filhos, em casa, trabalhos suplementares de leitura e escrita, temendo que reprovem o ano. Este procedimento vai aumentar a tensão da criança e sobrecarregá-la com um trabalho que já lhe é penoso na escola, podendo confundi-la quando a metodologia for diferente da sua professora, causando-lhe cansaço físico e fadiga mental, que a podem levar a uma diminuição das suas capacidades de aprendizagem e até a um certo ódio contra a matéria escolar.

 

A Acção dos Professores:

O professor atento nota imediatamente as crianças que apresentam tendências esquerdinas ou que utilizam indiferentemente ambas as mãos, nas mais diversas tarefas escolares.

Em presença de um destes casos, o professor deverá enviar a criança a uma consulta psicológica da especialidade, a fim de ser diagnosticado o tipo de lateralidade e de ser aconselhado sobre os procedimentos educativos mais adequados para esse caso.

A Acção da Educadora na Pré-Escolaridade

Proporcionar jogos voltados para áreas de:

  • Percepção Visual
  • Percepção Auditiva
  • Atenção Visual
  • Atenção Auditiva
  • Memória Visual
  • Memória Auditiva
  • Percepção Táctilo-Cinestésica
  • Expressão Verbal
  • Expressão Dramática
  • Expressão Plástica
  • Expressão Dançada
  • Expressão Musical (especialmente voltada para ritmos)
  • Jogos de simbologia gráfica (sons-sílabas-letras-significados; letras de plástico, textos em computador, etc.)
  • Noções práticas de lateralidade: direita, esquerda, frente, atrás, longe, perto, dentro, fora, por cima, por baixo, etc.
  • Grafismos no quadro e em papel grande
  • Matemática: seriações, associações, quantificações, etc.
  • Conhecimento das partes do seu corpo
  • Pré-Leitura
  • Pré-Escrita

A Acção do Professor na Escolaridade Básica

A entrada na escolaridade básica e o início das aprendizagens instrumentais requerem um grande esforço de adaptação por parte de todas as crianças, algumas das quais chegam a necessitar de três e quatro meses para se adaptarem. Para o esquerdino, os obstáculos que opõem a esta adaptação são mais numerosos, pelo que mais do que qualquer outro necessita de maior atenção do professor.

O professor deverá estar preparado para compreender e permitir que a criança esquerdina trabalhe em ritmo mais lento que as outra e apresente mais dificuldades, não se inibindo de a encorajar realçando todos os seus sucessos e evitando atribuir-lhe classificações que sejam apenas a avaliação do trabalho produzido, olvidando os seus esforços.

Se houver necessidade, o professor não se deverá coibir de atrasar o ensino da escrita para os casos mais graves, proporcionando-lhes primeiro bastantes exercícios de pré-escrita que lhes permitam uma adequada maturação para o início da leitura e da escrita (se o não fizer, pretendendo que uma criança imatura siga um programa metodológico para o qual ainda não está preparada, só vai arranjar complicações, aumentando os obstáculos e as dificuldades).

Nada é mais perigoso para toda a vida escolar de uma criança (esquerdina ou não) do que iniciar prematuramente uma aprendizagem para a qual não tem ainda maturação suficiente.

4 – ALGUNS CONSELHOS EM RELAÇÃO À ESCRITA:

  • Escrever com a mão aconselhada pelo psicólogo e segundo uma estratégia pedagógica formulada por este, pela família e pelos professores;
  • Aprendizagem de uma técnica de escrita igual à dos direitos, tendo-se em conta a lentidão e a falta de destreza inerentes ao uso pela mão esquerda de uma técnica feita para mão direita;
  • Ter-se especial atenção aos problemas caracteriais que se poderão levantar;
  • Se possível, juntá-la com outras colegas esquerdinas;
  • Colocação da criança na sala de aula de modo a que a luz lhe venha de frente ou da direita, para evitar sombras sobre a escrita;
  • Aconselhar o modo mais correcto da colocação do corpo e dos braços sobre a mesa e sobre o papel e da forma correcta de pegar na caneta para escrever (muito diferentes das dos direitos);
  • Peso do corpo assente sobre o braço direito, deixando o esquerdo livre,
  • Papel muito voltado para a direita e mão escrevendo sob a linha,
  • OU papel muito voltado para a esquerda e mão escrevendo por cima da linha.
  • O emprego de uma caneta esferográfica de boa qualidade é o melhor para se iniciar uma aprendizagem da escrita (os lápis têm bicos que depressa se gastam ou que se partem muito – a criança, nas suas primeiras escritas emprega demasiada força -, o que leva a constantes perdas de tempo em afiar novos bicos);
  • Atenção ao desenho das letras, cada uma tem o seu traçado próprio e liga-se às outras de modos pré-estabelecidas. Qualquer falta de atenção neste campo pode levar à aprendizagem de formas incorrectas e não rentáveis de escrever, depois muito difíceis de reaprender.
  • Exercícios sistemáticos sobre o desenho das letras:
  1. O professor explica no quadro o traçado de cada letra (nunca mais do que uma nova por dia), com giz de cores, usando cada cor para cada movimento;
  2. Cada criança vai ao quadro copiá-la (sempre em tamanho grande);
  3. Com o quadro apagado, a criança desenha, de memória (sempre em tamanho grande), no quadro, as letras que o professor lhe for ditando;
  4. Ditados semelhantes, mas agora as crianças desenham as letras em tamanho grande, em papel A4 e com marcadores de feltro;
  5. O mesmo, mas em papel de duas linhas com 8 milímetros e usando caneta ponta-de-feltro;
  6. O mesmo, mas em papel de duas linhas de 3/4 milímetros e com caneta esferográfica.

O papel de duas linhas é extremamente importante para ajudar a criança, nas suas primeiras tentativas de escrever, compreendendo que muitas letras têm o mesmo tamanho e que outras sobem ou descem para além das linhas marcadas. Em alguns países da Europa há cadernos que incluem estas linhas e outras, suplentes, para escrita dos t, f, g, bem como linhas verticais por onde a criança pode aferir a verticalidade da sua escrita.

  • É importante que se insista sempre mais na qualidade do traçado caligráfico do que na velocidade da escrita.
  • Corrigir imediatamente, no momento das primeiras aprendizagens, todas as incorrecções (um erro bem fixado é muito difícil de corrigir posteriormente), sempre encorajando e sem exigências excessivas.

Biology determines handedness in chimps, study finds

What makes a chimpanzee left-handed–nature or environmental influences? Mostly nature, according to a recent study of chimp mothers and infants.

That result refutes past animal research, which suggested that behavioral reinforcement and other external factors largely determine animals’ hand–or paw–preferences. In contrast, this study from Emory University’s Yerkes Regional Primate Research Center found that a chimp’s preference for right or left stems mainly from birth order and genes.

To reach that conclusion, researchers Bill Hopkins, PhD, and Jeremy Dahl, PhD, investigated hand preference in a group of 134 mother-infant pairs and a group of 155 sibling pairs. In the first sample, the researchers placed first-born and sixth-born infants in one group at “high risk” for being left-handed. They placed the rest of the infants in a “low risk” group and determined the handedness of babies in both groups.

They theorized that the early- and late-born babies were more likely to favor their left hands due to hormonal fluctuations, birth trauma and other developmental instability associated with first and later pregnancies.

As expected, they found that more of the babies of right-handed mothers–86 percent–were right-handed in the low-risk group, while slightly more of the babies of right-handed mothers–54 percent–were left-handed in the high-risk group

“We found that left-handedness is atypical in chimps,” says Hopkins. “And the fact that chimpanzees’ socioeconomic status is identical indicates that the explanation for handedness is biological.”

To further probe for a biological basis of handedness, the researchers examined handedness among pairs of chimp siblings. That study also revealed that–independent of being first- or sixth-born and regardless of being reared together or apart–siblings tended to favor the same hand as one another, indicating “the genetics of their handedness is very strong,” says Hopkins.

What might these findings suggest about humans? Probably that biology plays a major role in human handedness too, but that culture has mediated that, says Hopkins. Where as more than a third of chimpanzees are left-handed, only about 10 to 20 percent of people are, likely because right-handedness is taught and valued in human society, he says.

“The point is that what we see in chimps is truly biological,” says Hopkins, whose findings are published in the current issue of Psychological Science (Vol. 12, No. 4). “What we see in humans is biology plus culture.”

–B. MURRAY

Visitado em 17/06/07

fonte